segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Sem Pedigree

Os passeios com Siri e Sereia pelas ruas do meu bairro continuam sendo uma grande fonte de inspiração e contato com o que há de mais louco e generoso nos seres humanos.
Hoje, pela manhã, conversava com uma vizinha que tem um pequeno poodle preto chamada Cauã. Ela me disse que pegou-o num pet shop alguns anos atrás, porque ele havia sido o último de uma ninhada que restara ali sem dono. Por cinco meses o cachorrinho aguardava um dono encurralado numa grade na vitrine. A razão: havia nascido com uma pata branca e por isso perdera o pedigree! Ninguém o queria assim. Aparentemente, só os de pêlo homogeneamente preto eram merecedores de tal certificado. Fiquei pensando no como os idealizadores do sistema de pedigree de cães chegaram à esta conclusão absurda. O pequeno Cauã, dócil como ele só, restara ali ostracisado pela sua pata branca. A vizinha, comovida com a situação, adotou-o. Quando chegou em casa, os filhos torceram o nariz para ele porque "poodles são cachorros de madame" e eles preferiam um vira-lata! Vai entender!!!

Um comentário:

Loyestal disse...

Seu cachorro tem uma cor bonita. O amor de um cão é dado sem reserva e com lealdade. É amor quente. Tal inocência… Um dia de Van Morrison

Warm Love

Look at the ivy on the cold clinging wall
Look at the flowers and the green grass so tall
It's not a matter of when push comes to shove
It's just an hour on the wings of a dove
This inspiration's got to be on the flow
This invitation's got to see it and know
It's just warm love
And it's ever-present everywhere
That warm love

To the country I'm going
Lay and laugh in the sun
You can bring your guitar along
We'll sing some songs, we'll have some fun

The sky is crying and it's time to go home
And we shall hurry to the car from the foam
Sit by the fire and dry out our wet clothes
It's raining outside from the skies up above

Inside it's warm love
And it's ever-present everywhere
Warm love