sexta-feira, 4 de julho de 2008

A felicidade, ela existe!!!

Fazia tanto tempo, tanto tempo. Eu acho que havia até me esquecido...que uma vida feliz, ela existe! Que algumas tardes no mundo são bordadas por sombras de trepadeiras enfeitadas com jacintos e debaixo delas correm as crianças abençoadas com tudo o que a vida pode proporcionar à infância - família, oportunidades educacionais e brincadeiras. Nessas tardes de sol, elas vêm para aprender a fazer vidros, estar em contato com esta tradição milenar egípcia e, também, para aprender sobre reciclagem, como se o mundo pudesse ainda ser salvo da ganância da humanidade! E elas acreditam nisso - todos aqui!!! Nessa mesma vida, a gente toma sorvete de creme coberto de estrelas de chocolate bem no meio da tarde, imaginem! É porque estas, tardes, não são feitas para o trabalho cerceado por quatro paredes...são tarde livres, feitas até mesmo para se tomar sorvete estrelado. Até a madrugada, quase-manhã, eu também passei a conhecer. No caminho de casa, me deparo diariamente com a classe trabalhadora recém emergida dos buracos do metrô. Eles se aglutinam, com seus casacos e cachecóis, no entorno das barracas montadas nos pontos de ônibus, para tomar café com bolo de mandioca. Ao avistá-los, ainda de saltos altos, desço do meu carro e peço também uma média. Sorrimos entre nós, pois eles sabem de onde venho e eu sei de onde eles vêm. Somos irmãos, paulistanos, nos solidarizamos assim, no fogo da alvorada.

2 comentários:

Anônimo disse...

e de repente, assim, revela-se a beleza mais fugaz das coisas simples. Beleza simples e bandida, escondida nas trepadeiras, na infância, nas estrelas e pontos de ônibus. Mal sabe que tudo isso está dentro de vc!
Deve ser por isso que esses olhos brilham tanto... Esse incessante fogo da alvorada!

liniane disse...

Nossa, que inspirada !
Gostei bastante deste.
Sábado parece que tem "museu".
Viva !
bjs
Liniane