quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Amor Vegetal

Recentemente descobri um poeta brasileiro muito famoso chamado Affonso Romano de Sant'anna. Assisti-o na TV Cultura falando sobre como a poesia brasileira tendeu tão fortemente ao concretismo, rejeitando correntes mais discursivas e menos formalistas. Desde o início de sua carreira como poeta quis propor que poesia não é uma coisa OU outra, mas uma coisa E outra. Disso já gostei, pois creio que a maior parte dos problemas do mundo provém do esquecimento de que o E é possível: muçulmanos e chineses, judeus e árabes, ocidentais e orientais, porque não? Outra coisa legal, foi um poema dele que inspirou a música da Legião Urbana, "Que país é este?" Comprei um livrinho de Affonso Romano na Bienal e adorei sua poesia! Compartilho um poeminha chamado: Amor Vegetal.
.
Não creio que as árvores
fiquem em pé, em solidão, durante a noite.
Elas se amam. E entre as ramagens e raízes
se entreabrem em copas
em carícias extensivas.
.
Quando amanhece,
não é o cantar de pássaros que pousa em meus ouvidos,
mas o que restou na aurora
de seus agrestes gemidos.

2 comentários:

Luana disse...

'OU' 'E'
hahah
adorei!

acho que foi uma indireta para os jornalistas chatos, né?

beijo

Anônimo disse...

Eu leio este e eu penso das palavras de " Um Quarto com Vista"

"I only know what it is that's wrong with him; not why it is."
"And what is it?" asked Lucy fearfully, expecting some harrowing tale.
"The old trouble; things won't fit."
"What things?"
"The things of the universe. It is quite true. They don't."
"Oh, Mr. Emerson, whatever do you mean?"
In his ordinary voice, so that she scarcely realized he was quoting poetry, he said:
"'From far, from eve and morning,
And yon twelve-winded sky,
The stuff of life to knit me
Blew hither: here am I'
George and I both know this, but why does it distress him? We know that we come from the winds, and that we shall return to them; that all life is perhaps a knot, a tangle, a blemish in the eternal smoothness. But why should this make us unhappy? Let us rather love one another, and work and rejoice. I don't believe in this world sorrow."
Miss Honeychurch assented.
"Then make my boy think like us. Make him realize that by the side of the everlasting Why there is a Yes--a transitory Yes if you like, but a Yes."