sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Tropa de Elite

.....Estive meio atrasada com as idas ao cinema, mas finalmente assisti Tropa de Elite, que me surpreendeu porque é um filme que me fez rir muito e ainda sair dele me sentindo revigorada! Particularmente, o treinamento nos "aspiras" para entrar no Bope me fez rolar de rir. Na hora ri sem pensar em porque eu ria, mas agora percebo que eram risos de alívio! O que permitiu o filme surtir esse efeito no espectador, na minha opinião, é a forma como foi construído o personagem principal. Trata-se de um policial assassino e desvairado, retratado de forma superficialmente multidimensional - porque tem um filho e um casamento prestes a desabar (e quem não tem?). Sua voz firme é que guia o espectador através de cenas contidas da mais absoluta violência, sempre dando a elas um raciocínio lógico, portanto confortante, ao espectador sentado em meio à balas perdidas. O ator, perdoem-me os fãs, não chegou a ter uma atuação brilhante, exceto na própria narração do filme, pois é ao seu tom de voz confiante que todos se apegam, enquanto vamos sendo apresentados ao caos que tornou-se nosso país. Ali em sua voz todo aquele caos faz sentido - ela nos explica uma dinâmica da favela e jamais questionamos sua veracidade, aos poucos passamos torçer quase que exclusivamente para que ela (ele, o policial) tenha logo êxito em aniquilar o traficante Baiano e tranformar um decente estudante de direito em mais um policial assassino, para que possa então cuidar de sua vida pessoal. Em nenhum momento o espectador questiona esse interlocutor, essa figura que torna-se onipresente, ao contrário, terminamos por tê-lo agora presente no nosso dia a dia, na mídia de TV, como referência querida ao ponto de fazer até propaganda de cerveja com Juliana Paes! Por esta razão, considero que trata-se um filme perverso. Seus semelhantes, como Cidade De Deus, utilizam-se menos de efeitos de conforto emocional e mais de efeitos de alienação, justamente para que o espectador sofra com o contato com a realidade exposta e, principalmente, não saia do cinema preenchido e aliviado com a situação.

2 comentários:

Estudio Manus disse...

Oi Deborah (?)

Nos conhecemos hoje,apresentados pela minha mulher.Como disse, sou muito curioso, e a possibilidade da mentira me causa incontrolável
curiosidade ainda maior.

Claro que bebi bem, e a sobriedade que resta me diz que o que você escreve é bonito e me interessa.

Quero e vou ler depois.

Mas conheça também o meu blog, pelo menos para ver como podemos ser diferentes.

Entre no www.estudiomanus.bloger.com , e dentro links informam endereço, etc...para um dia você nos visitar, e contar toda sua terrível verdade.

beijos,

Caio

Liniane disse...

Tenho uma opinião muito semelhante a sua,sobre o filme TROPA DE ELITE. È impressionante como poucos enxergam a lógica perversa por trás desta história.
Bem, parabéns pelo blog! Voltarei mais vezes. Ah, antes que eu me esqueça: sou sua colega no Lasar Segall. No sábado estava sentada quase a sua frente (a morena de cableo bem comprido). Deixo aqui o endereço de meu "novo" blog, que estou retomando aos poucos, depois de um ano parada.Abs.Liniane
www.vivendablog.zip.net